terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

O Tempo Cibernético




Qual é o tempo cibernético ? No orkut, algo que se deu há três meses atrás é tempo demais. Uma pessoa que deixe de postar por uma semana, já é considerada desaparecida. Amigos lhe escrevem em scraps “o que houve com você ? sumiu ?”. A pessoa se espanta “puxa, foi só uma semana”, mas uma semana é uma eternidade em megabytes. Fulano que para por um mês de postar, cai no esquecimento de memórias que se antes eram curtas, agora são milimétricas. E coleguinhas se renovam com a facilidade dos objetos descartáveis da contemporaneidade.

Uma cadela gera seus filhotinhos em 45 dias. Mas os bebês só estarão fortes em outros 45 dias. Nos mamíferos, este tempo de maturação é bem rápido. 90 dias. Mas gravidez de humanos é de nove. De baleias, 11 meses. O das vacas é de nove meses, igual ao nosso. O das girafas, 420 dias, ou seja, para nascerem aqueles bichinhos lindos de pescoço comprido e pelagem amarelinha com machas marrons, mais de um ano. Mas, dos filhotes, o humano é o que leva mais tempo para se desenvolver e, de qualquer maneira, mesmo entre os bichos, nada é vapt vupt. Vapt vupt só para onça pegar o filhote de macaco que deu bobeira.

Sabiás levam vários meses construindo o ninho, chocando os ovos. Quanto tempo leva uma semente de abacateiro para se transformar numa árvore ? quanto tempo para que esta árvore dê sombra e produza novos abacates ? quanto tempo leva uma semente de girassol para se transformar num girassol ? quanto tempo leva para se cultivar um jardim ? Qual é a velocidade do caramujo ? em quanto tempo ele faz a casca ? Por mais rápido que seja, nada na natureza é instantâneo. Instantâneo é o átomo explodindo a vida de milhões.

Humanos são lentos. Rápidos ? só em seu pensamento. A vida é lenta. O tempo dos ventos levarem as nuvens e as nuvens desaguarem suas águas. O tempo dessas águas rolarem e trazerem novos peixes, novas marés. Tudo o que é, leva tempo.

O virtual acompanha a rapidez frenética do pensamento, que se articula em milionésimos de segundos. O virtual é o que não é, mas impera hoje sobre nós como antes nenhum ditador ou regime maligno conseguiu.

Vivemos o tempo da ciência, o tempo que a ciência ocupou o lugar de Deus no imaginário humano. Não está mais no nosso arbítrio viver sem ciência, mas nosso tempo de maturação continua não obedecendo nossa vontade, ou mesmo, a velocidade dos bytes. Até que nossos neurônios sejam substituídos por nano-robots, até que todas as nossas células sejam recriadas, infalíveis e indestrutíveis, continuaremos mortais, a obedecer o tempo do ser. E para ser, leva tempo.

Amizades, as que nos alegram o coração de verdade, continuarão sendo, ainda por muito tempo, as pessoas que conhecem nossas vozes, vêem nossos olhos e abraçam nossos corpos. Reais. E ninguém esquece, na vida real, o brilho de um olhar real assim tão rápido. Mas no orkut, se vêem apenas letras e fotos. É fácil esquecer. Mas é difícil, felizmente, se esquecer o que se passou. Nosso tempo, ainda é, felizmente, o tempo lento e sempre escasso em que atravessamos os sinais na rua alegre e barulhenta da vida de cada um de nós.

Um comentário:

Emilinha disse...

Bom é quando a amizade cibernética ultrapassa os bite e bytes e se torna real. Conhecer você e tantas lindas e lindos foi surreal.