quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Libélulas helicópteros e outros como tais


A libélula é o beija flor e o helicóptero antes de tomar o rumo do lago e nenhum de nós dois sabia então que o amor era aquela mariposa que girava ao redor da lâmpada e em breve morreria por excesso de luz. Naquele caleidoscópio de frases coloridas... Quero sentir tua voz sussurar no meu ouvido um caleidoscópio de frases coloridas, que me façam provar as cores que exalam do teu cheiro. Porque é do teu cheiro que alimento minha alma e minha saudade. E cheiro traz sempre saudade.

A porta da verdade estava aberta, mas só deixava passar meia pessoa de cada vez.Assim não era possível atingir toda a verdade, porque a meia pessoa que entravasó trazia o perfil de meia verdade. E sua segunda metade voltava igualmente com o mesmo perfil e os meios perfis não coincidiam.Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta. Chegaram ao lugar luminoso onde a verdade esplendia seus fogos. Era dividida em metades diferentes uma da outra.Chegou-se a discutir qual a metade mais bela. Nenhuma das duas era totalmente bela. E carecia optar. Cada um optou conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Eis que diante da verdade, de tantos pontos de vista possíveis, de tantas vidas e tantos dramas existentes, a paisagem sai sempre desfocada. Ou bem seremos míopes, ou bem seremos estrábicos, dificilmente seremos normais, porque a normalidade, já se sabe faz tempo é apenas conceito. De perto, tudo é diferente, cada coisa é especial e ninguém, ninguém mesmo, é normal.
A libélula se perde do rumo. O helicóptero vira miragem. Eu perco o prumo. Ou talvez o prumo também seja uma ilusão. Tudo depende do tombo.

3 comentários:

Evora disse...

Lindo texto.
Fiquei pensando e pensando, metades, duas verdades distintas, escolhas, dualidades.
O ser humano é a própria dualidade.

Lilian disse...

Ei! Tem um trecho meu aí!!! Fiquei orgulhosa. Beijoca.

Lilian disse...

"nenhum de nós dois sabia então que o amor era aquela mariposa que girava ao redor da lâmpada e em breve morreria por excesso de luz"
Tá aqui, ó:
http://pontoafinal.zip.net/arch2004-04-01_2004-04-30.html