sexta-feira, 7 de março de 2008

Nós, Mulheres


A mulher de carne que todas passeamos
Somos também vertigem e incêndio
A louca da varanda que ri da lua e sonha com cavalos
A mulher naufrágio que sereia muda no corpo do namorado
Sim somos todas estas
E mal temos tempo para passar um batom
Na boca da madrugada
Nossa dimensão é absurda e vai da sala de aula
Professora aos gritos
Até a executiva top
Pés massacrados pelo salto
Pulando de abismo em abismo
Nossa alma é mais vasta do que o rótulo que nos dão
Esposa mãe irmã tia namorada nada
E nosso abismo é maior que nosso medo
Somos a flor terna do segredo
De sermos tantas em apenas uma só
Quem é mulher cedo aprende
Que ninguém jamais nos entende
E que passaremos a vida a rir da revista que diz que é fácil
Trabalhar estar bela ser apaixonante ser feliz e ganhar pouco


Não, não é fácil ser mulher
É questão de treino
Insistência e talento
Nem todo mundo consegue
Ser simplesmente

Uma mulher

3 comentários:

Beto Mafra disse...

Ei!
Pra variar, adoro seu texto.
É escancarado como você, honesto.
Sempre tenho um sorriso brotando quando leio seus "excessos", que na verdade riem tristezas e desejos.
Normal? Normal é um porre. Busco o inusitado e encontro parte dele no que você escreve.
Parabéns amiga.
Um beijo.

Cuícablues disse...

as moças na pintura me lembraram de duas amigas, que, vez por outra tocam e cantam por aí !!!
de quem é o quadro?!!!
bjs,
m.

Cynthia Dorneles disse...

Matisse :)
As moças são pintadas por Matisse
pena que o blog não ofereça recursos de colocar abaixo das gravuras, pinturas, fotos, quem as fez

beijos